VI - A BARCA DE PEDRO: tem a Missão de Navegar pelo Mar da História. IGREJA DE CRISTO - POVO DE DEUS

      Este nosso seguimento de reflexão sobre, afinal, o que é esta Obra de Cristo, chamada IGREJA, nos convida, aqui, a levantar nossas atenções para definir esta questão estrutural que nos aflige na consciência: o que Jesus realmente quis quando passou entre nós? Afinal, quem foi Jesus realmente? Por que Jesus ganhou tanta importância na História da Humanidade?

      Primeiro, precisamoa situar o Homem Jesus, em tudo igual a nós, exceto no pecado: Mt 15,55; Mt 16,27;Mc 6,3; Lc 1,31-33; Lc 2,7;....... Dessa forma, nossa mente não pode deixar a Pessoa de Jesus fora dos limites da realidade humana, mas Ele terá que ser considerado dentro da sua Natureza Humana: 1) Ele faz parte desse Universo onde estamos, chamado Cosmos. 2) Ele é um ser biológico, possui um corpo de carne e com todos os ingredientes biogenéticos da matéria que o torna presente neste espaço por Ele ocupado. 3) Ele é um Cidadão do Mundo, faz parte da história aqui vivida, com suas florações diversas de relacionamento e intervenções extraordinárias de seus valores pessoais.

      Dentro de um contexto específico, os estudiosos, os místicos, os homens e mulheres de maior espiritualidade, de forma clara e inspirada vão percebendo que o tempo, a história, os fatos, os fenômenos e as reações das criaturas, sobretudo humanas, vão dando mostras de que algo está para vir, e novas mudanças vão se apresentando de forma evidente, dando a sensação de que é preciso dar andamento em uma adequada preparação para fugir a surpresas desastrosas. O que fazer? Onde está a saída? Que mundo novo buscar? Quais as suas categorias? Não apenas o mundo religioso prevê as danosas consequências para todo o Universo, mas também a Comunidade Científica percebe que as coisas não vão bem. Ela também se apavora e emite os seus alarmes e alertas para o mundo. As reações são as mais inusitadas, espalhafatosas e espantadas possíveis. E é aqui que surgem de suas "tocas e cavernas", os mais diversos adivinhos e gurus, cartomantes e tarot, profetas aventureiros do apocalipse e dos símbolos astrológicos, zodíaco, horóscopos e outras falsidades que já, há muito, estão espalhadas pelo mundo. E são multidões imensas que marcham atrás desses indicativos traiçoeiros. O Catecismo da Igreja Católica deixa claro isto: "A Economia cristã jamais passará e já não há que esperar nenhuma nova revelação pública antes da gloriosa manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo". A fé cristã não pode aceitar "revelações" que pretendam ultrapassar ou corrigir a revelação da qual Cristo é a perfeição. Certas religiões não-cristãs e outras tantas seitas recentes insistem, irracionalmente, em divulgar tais falsas revelações.